Transição

A Transição é um processo de cuidados com foco na otimização da capacidade funcional do paciente. Dentro do trabalho de transição existe a preparação tanto do paciente quanto da família para os cuidados de longo prazo que serão necessários no futuro, e quando possível, irão ocorrer no próprio ambiente doméstico.

Você já ouviu falar em transição e desospitalização segura?

Quando um paciente está em um hospital geral ou de alta complexidade, logo que seu estado clínico deixa de ser agudo ou não corre mais risco de morte iminente, surge aí a necessidade de uma nova conduta diante ao tratamento. Conduta essa que possui tratamentos coordenados para o quadro atual e as necessidades específicas do paciente. E que não é o foco do hospital geral ou de alta complexidade.

A alta hospitalar é um momento significativo e de importante mudança no cotidiano do paciente e, também, no cotidiano da família. Essa mudança, por vezes, não é abordada de maneira eficaz durante a internação hospitalar (em hospital de alta complexidade ou geral). A orientação da alta hospitalar dada pela equipe assistencial apenas no momento da saída do hospital, muitas vezes, é realizada de maneira mecânica e apressada, sem levar em conta a condição e a necessidade de cada paciente. Proporcionando, assim, fragmentação dos cuidados pós-alta.

O Hospital de Transição Royal Care, referência por excelência no tratamento e cuidado mais adequado a essa nova realidade ou necessidade momentânea, oferece a família e ao paciente, toda uma estrutura de comprometimento, competência e acolhimento fazendo desse conjunto de atitudes um diferencial em sua conduta hospitalar. O hospital de transição é um parceiro do hospital geral e de alta complexidade, que auxilia o processo de desospitalização. E oferece ao paciente a possibilidade de um tratamento mais eficaz e personalizado.

Com o Processo de transição adequado pode-se melhorar a qualidade dos resultados assistenciais e influenciar na qualidade de vida do paciente. Contribui para evitar reinternações hospitalares desnecessárias e reduz custos dos cuidados de saúde. O fato é que, a readmissão hospitalar é um indicador importante de qualidade assistencial. Traz, além do desconforto e insegurança ao paciente e aos seus familiares, representa também, um ônus ao sistema de saúde e seus prestadores. No hospital geral o paciente crônico que tinha a visita médica diária, fonoaudiólogo, fisioterapeuta, cuidados de enfermagem, nutrição entre outros, tem esse elo de cuidados cortado no momento da alta, de forma abrupta, causando insegurança na família e interrompendo os processos de cuidado e consequentemente a melhora é retardada.

Estratégia de Transição bem sucedida

O Hospital de Transição Royal Care considera todo o contexto de vida do paciente, envolvendo a condição familiar para uma futura alta, disponibilizando a orientação e suporte aos familiares e, o que favorece a desospitalização segura.

O Hospital Royal Care conta com uma equipe assistencial responsável em assegurar que o paciente retorne ao seu âmbito domiciliar bem assistido e com apoio necessário. Equipe essa que corrobora para melhor articulação e comunicação entre: profissionais, paciente, família, cuidadores e Operadora de Saúde, visando estratégias de transição bem sucedida.

Pilares para a melhor reabilitação e readaptação do paciente

Paciente Certo

Momento Certo

Local Certo

Como indicar um paciente para o Hospital de Transição?SAIBA MAIS

Comparativo entre os tipos de internação

  • Características

  • Emprego de TecnologiaEmprego de Tecnologia
  • Principal cuidador do pacientePrincipal cuidador do paciente
  • Horário de visitaHorário de visita
  • AcomodaçõesAcomodações
  • Plano terapêuticoPlano terapêutico
  • Suporte a familiaresSuporte a familiares
  • Integração com áreas externasIntegração com áreas externas
  • Foco do tratamentoFoco do tratamento
  • Internação Hospital

  • Emprego de TecnologiaAlta Complexidade
  • Principal cuidador do pacienteEquipe de enfermagem
  • Horário de visitaRestrito a poucas horas por turno
  • AcomodaçõesAmbiente impessoal, desenhado para internações de curta permanência
  • Plano terapêuticoDefinido pelo médico assistente
  • Suporte a familiaresPsicologia hospitalar e/ou assistência social
  • Integração com áreas externasBaixa ou nenhuma
  • Foco do tratamentoAlívio do sofrimento físico. Atenção à cura e ao prolongamento da vida
  • Internação Royal Care

  • logo
  • Emprego de TecnologiaBaixa / média complexidade focado no acolhimento e individualização
  • Principal cuidador do pacienteEquipe interdisciplinar do Hospital Royal Care
  • Horário de visitaHorário flexível. Temporariamente com restrições devido a pandemia. Entre em contato para orientações
  • AcomodaçõesAmbiente acolhedor, individualizado, customizado
  • Plano terapêuticoDefinido por uma equipe multiprofissional especializada, incluindo o médico assistente
  • Suporte a familiaresEquipe multidisciplinar especializada em transição de cuidados. Suporte extensivo a familiares e amigos
  • Integração com áreas externasIntegrada, acessível aos pacientes, familiares e amigos
  • Foco do tratamentoReabilitação / readaptação a nova realidade. Alívio ao sofrimento físico, psiquico, espiritual e social. Mais vida aos dias
  • Internação Home Care

  • Emprego de TecnologiaBaixa Complexidade
  • Principal cuidador do pacienteFamília ou cuidador externo
  • Horário de visitaHorários e rotinas geridos pela família
  • AcomodaçõesAmbiente com diferentes graus de adaptação
  • Plano terapêuticoDefinido pela equipe médica do Home Care
  • Suporte a familiaresEquipe médica e/ou enfermagem da empresa de Home Care
  • Integração com áreas externasCondicionada às condições da família
  • Foco do tratamentoDirecionado pelo Home Care e condicionado às possibilidades da família

Dúvidas? Entre em contato